Amelia Ann Blanford Edwards - Egito Antigo

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Amelia Ann Blanford Edwards

Amelia Ann Blanford Edwards
Em 07 junho de 1831 nascia Amelia Ann Blanford Edwards filha de um oficial do exército e uma mulher irlandesa famosa por sua auto-confiança e determinação. Edwards logo começou a mostrar um talento para a arte, escrita e música. Seu pai esperava que ela fosse uma cantora de ópera, mas ela decidiu passar a vida escrevendo, publicando livros, coleções de poesia e livros de viagem ilustrados com seus próprios desenhos.

Com 42 anos, Edwards chegou ao Cairo e foi contratada para escrever um livro sobre uma viagem pelo rio Nilo. O seu trabalho "Mil milhas subindo o Nilo" a tornou famosa, mas o maior resultado da viagem foi observar o mau estado de conservação de monumentos, no Egito. Seu interesse veio a criar uma organização dedicada à documentação e preservação dos monumentos do Egito: "The Egypt Exploration Fund" (mais tarde conhecida como: Egyptian Exploration Society) foi fundada em 1882 com Edwards como primeira secretária. Ela abandonou todos os seus outros escritos para dedicar todo o seu tempo à fundação. Ela contribuiu para muitos trabalhos escritos, estudou hieróglifos, e conseguiu fundos. Entre 1881-1890, viajou para os Estados Unidos em uma turnê de palestras que ganhou onde interesse americano e apoio para a fundação. Essas palestras foram publicadas em 1891 sob o título: "Faraós, Lavradores e exploradores".

Durante sua viagem à América, Amelia Edwards quebrou o braço, mas continuou com a turnê, minando a sua saúde e 15 de abril de 1892, morreu de gripe na Inglaterra. Doou muito dinheiro para a University College de Londres para instalar um departamento de filologia e arqueologia egípcia.

Amelia Edwards nunca se casou, mas teve uma reputação de mulher difícil de viver. Ela era independente e não teve muitos amigos próximos, mas a sua contribuição para a Egiptologia é imensurável.

Amelia Edwards foi totalmente dedicada à promoção do conhecimento dos esplendores do Egito. Sua preservação era a missão de sua vida.
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal