Escorpião I - Faraó do Egito Antigo - Egito Antigo

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Escorpião I - Faraó do Egito Antigo

Faraó do Egito
Reinado
Desconhecido, 
Predecessor
Konkhe
Sucessor
Título Real
NomeEscorpião I
Tumba
Tumba U-j; Umm el-Qa'ab, Abidos
Escorpião I (ou Serket I) foi o primeiro dos dois reis assim chamados do Alto Egito durante o  período protodinástico. Seu nome pode se referir à deusa escorpião Serket.

Escorpião I - Faraó do EgitoAcredita-se que viveu em  Tinis um ou dois séculos antes do reinado do mais conhecido rei  Escorpião II de Nekhen e é provavelmente o primeiro verdadeiro rei do Alto Egito. A ele pertence o túmulo U-j encontrado no cemitério real de Abidos, onde foram enterrados os reis tinitas. Sua tumba é notável por seu tamanho, quantidade de bens e pelos primeiros hieróglifos conhecidos. Este túmulo também reproduz o modelo de um palácio.

A tumba foi saqueada ainda na antiguidade, no entanto, foram encontradas muitas placas pequenas de marfim, cada uma com um furo para amarrá-la a alguma coisa, e cada uma marcada com um ou mais hieróglifos arranhados que acredita-se serem nomes de cidades, talvez para amarrar oferendas e tributos para acompanhar o que veio de cada cidade. Duas dessas placas parecem ter o nome das cidades de Buto e Baset, no Delta do Nilo, mostrando que os exércitos do rei Escorpião I haviam penetrado no Delta do Nilo. Pode ser que, com as conquistas de Escorpião I iniciou-se o sistema hieróglifo, iniciando a necessidade de manter registros e informações por escrito.

Em Gebel Tjauty o professor John Darnell da Universidade de Yale encontrou um grafite que narra uma possível vitória de Escorpião I sobre um líder regional vizinho que ele capturou. Na imagem é possível perceber a pessoa capturada com as mãos amarradas para trás ao lado do governante que esta segurando em uma mão uma clava e na outra a corda. Também é possível perceber um pássaro bicando uma serpente (o que pode significar um símbolo de "vitória" ou então um nome/região; este símbolo é encontrado em outros locais), um escorpião e um falcão. Uma segunda interpretação da imagem sugere que a pessoa capturada representa de forma figurativa a conquista da elite naqadana que durante o período estava em declínio. O rei derrotado ou o lugar é chamado no grafite de "Cabeça de Touro", uma marcação também encontrada no túmulo U-j.

grafite em pedra com um grande escorpião atacando um homem com as mãos atadas às costasNa Núbia foi encontrado um grafite em uma pedra com um grande escorpião atacando um homem com as mãos atadas às costas. Ainda existem dois arqueiros cada um em uma ponta do grafite olhando a cena. Este grafite possivelmente é do rei Escorpião I e pode representar uma invasão punitiva da Núbia.

O túmulo do rei Escorpião I é conhecido no circuito de arqueologia como possível evidência do consumo do vinho antigo. Na busca da tumba, os arqueólogos descobriram dezenas de jarros importados de cerâmica contendo um resíduo amarelo consistente com vinho, datados de 3150 a.C. Sementes de uvas, casca e polpa também foram encontrados.
Precedido por
Konkhe
Faraós do EgitoSucedido por
Falcão Duplo
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal