Henry Salt - Egito Antigo

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Henry Salt

Henry Salt, egiptólogo
Henry Salt nasceu em Lichfield, na Inglaterra no dia 14 de junho de 1780 e faleceu no dia 30 de Outubro de 1827 na cidade egípcia de Alexandria. Ele foi um artista, viajante, diplomata e egiptólogo.

Henry Salt estudou para ser um pintor de retratos, primeiro em Lichfield e depois em Londres. No ano de 1802 ele foi nomeado secretário e desenhista de George Annesley e então iniciaram uma viagem pelo oriente, viajando para a Índia. Salt explorou a região do Mar Vermelho e em 1805 visitou os planaltos etíopes. Ele retornou, então, para a Inglaterra em 1806. As pinturas de Salt desta viagem foram usadas no livro Voyages and Travels to India, do Lorde de Valencia, publicado em 1809.

Salt retornou à Etiópia no ano de 1809 em uma missão governamental para explorar acordos diplomáticos e comerciais com o Wolde Selassie e o Ras, chefe, da etnia Tigray-Tigrinya. Em seu retorno ele publicou o livro A voyage to Abyssinia, and travels into the interior of that country, executed under the orders of the British government in the years 1809 & 1810, e uma coleção de desenhos intitulados Twenty-four Views Taken in St Helena, The Cape, India, Ceylon, Abyssinia and Egypt. Posteriormente ele retornou e continuou uma amizade com o chefe-militar da Etiópia Sabagadis.

Em 1815 Salt foi nomeado Cônsul-geral britânico na cidade de Cairo. Durante sua estada no Egito, ele acumulou uma coleção de artefatos egípcios, sendo o mais notável uma estátua da cabeça de Ramsés II do Ramesseum, que foi presenteada ao Museu Britânico, e o sarcófago de Ramsés III, que foi comprado pelo Museu do Louvre. Ele também patrocinou escavações em Tebas e Abu Simbel, realizando importantes pesquisas arqueológicas nas pirâmides de Gizé e na Grande Esfinge, e ganhando elogios do próprio Jean-François Champollion pela habilidade sua de decifrar hieróglifos.

Ele se empenhou na tarefa de reunir uma coleção de antiguidades, embora ele tenha sido prejudicado de todas as formas possíveis por Bernardino Drovetti, quem, sendo demitido de seu cargo oficial, se dedicou a supervisionar, pessoalmente, a busca por antiguidades em todo o país. Drovetti teve grandes vantagem sobre Salt por seu conhecimento do Egito, onde viveu por muitos anos, e também graças a sua estreita amizade com o Paxá Mehmet Ali.

No ano em que chegou ao Cairo, Salt teve a sorte de se encontrar com Giovanni Battista Belzoni, uma pessoa extraordinária que imediatamente tornou-se seu agente, e com Giovanni D’Athanasi, um grego conhecido como Yanni, que trabalhou para Salt na região de Tebas entre os anos de 1817 a 1827. Graças à seus assistentes, Salt conseguiu construir sua importante coleção em apenas dois anos. Esta foi vendida ao Museu Britânico por duas mil libras, e foi seguida de outra coleção, mais importante, acumulada por Salt de 1819 a 1824, tendo não menos do que 4.014 objetos. Depois de ser rejeitado pelo Museu Britânico por ser considerada muito cara, esta segunda coleção foi vendida ao Rei Carlos X de França por dez mil libras, e, posteriormente, ajudou a aumentar, a impressionante coleção egípcia do Museu do Louvre, em Paris.

Salt também conseguiu montar uma terceira coleção, contando com 1083 objetos, que foi vendida em leilão, em sua maioria para o Museu Britânico, no ano de 1835, oito anos depois de sua morte ocorrida em Alexandria no ano de 1827.

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal