Império Médio do Egito | Egito Antigo - Egito Antigo

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Império Médio do Egito | Egito Antigo

Os faraós do Império Médio restituíram a prosperidade e estabilidade do país, situação que estimulou um renascimento da arte, literatura e projetos de construção monumental. Mentuhotep II e seus sucessores da XI dinastia governaram a partir da cidade de Tebas, mas o vizir Amenemhat I, ao assumir ao trono que deu início início à XII dinastia por volta do ano de 1985 a.C., mudou a capital do país para a cidade de Itjtawy, localizada em Faium. De Itjtawy, os faraós da XII dinastia comprometeram-se a realizar uma recuperação de áreas degradadas e melhorar o sistema de irrigação para aumentar a produção agrícola na região. Além disso, iniciou-se a reconquista militar de toda a Núbia, rica em pedreiras e minas de ouro, enquanto trabalhadores construíram uma estrutura defensiva no Delta Oriental, chamada "Muros-do-Rei", para defesa do Egito contra ataques exteriores.
Garantida a segurança militar e política, e na presença de uma vasta riqueza agrícola e mineira, a população, a arte e a religião prosperaram significativamente. Em contraste com a atitude elitista do Império Antigo para com os deuses, no Império Médio assistiu-se a um aumento nas manifestações de devoção pessoal, e àquilo que pode ser designado por democratização da vida no além, na qual todas as pessoas possuem uma alma e podem ser recebidas na companhia dos deuses. A literatura do Império Médio abordava temas eruditos e personagens complexos, narrados num estilo confiante e eloquente. A escultura capturou detalhes subtis e distintos que atingiram um novo patamar de perfeição técnica; os líderes retomam o costume de erigirem pirâmides.

No Império Médio, como forma de garantir a sucessão, os faraós ainda em vida dividiram o trono com seu sucessores, mantendo-os como co-faraós. O último grande governante do Império Médio, Amenemhat III, permitiu colonos asiáticos na região do Delta de modo a ter disponível força de trabalho suficiente para as suas particularmente ativas campanhas de construção e mineração. Estas ambiciosas campanhas, porém, em conjunto com cheias inadequadas do Nilo no seu reinado, fragilizaram a economia e precipitaram um lento declínio no Segundo Período Intermediário durante as posteriores XIII e XIV dinastias. Durante esse declínio, os colonos asiáticos começaram a assumir o controle da região do Delta, acabando eventualmente por alcançar o poder no Egito, como foi o caso dos hicsos.
Dinastias do Império Médio
XI Dinastia egípcia
XII Dinastia egípcia
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal