Khasekhemui- Faraó do Egito Antigo - Egito Antigo

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Khasekhemui- Faraó do Egito Antigo

Khasekhemui (2714 a.C. 2686 a.C., às vezes soletrado Khasekhem ou Khasekhemwy) foi o último rei da Segunda Dinastia do Egito. Pouco se sabe sobre Khasekhem, além de que ele liderou várias campanhas militares significativas e construiu vários monumentos, ainda existentes, mencionando uma guerra contra os nortistas. Seu nome significa "os dois poderosos aparecem". Seu nome significa «os dois poderes (Hórus e Set) surgem» (do egípcio kha: surgir/manifestar; sekhem: poder; ui: plural dual).

Comprimento do Reinado

De acordo com o estudo de Toby Wilkinson acerca da Pedra de Palermo, na Anais Reais do Egito Antigo, este documento da  quase contemporânea 5ª dinastia atribui a Khasekhem um reinado de 17,5 ou cerca de 18 anos completos. Wilkinson sugere que um reinado de 18 "anos completos ou parcial" pode ser atribuído a Khasekhem desde a Pedra de Palermo e seus fragmentos associados registram os anos 3-6 e 12-18 anos deste rei e observa que é seu último
Faraó do Egito
Estátua do Faraó Khasekhem
Estátua do Faraó Khasekhem
Reinado
(2714 a.C. - 2686 a.C.)  2ª Dinastia
Predecessor
Sucessor
Título Real
NomeKhasekhem
Esposa(s)
Nimaethap ?
Filhos
Djoser
Hetephernebti
talvez Sanakht
Tumba
Tumba V em Umm el-Qa'ab
Monumentos
Shunet ez Zebib, forte de Nekhen, Gisr el-Mudir ?
ano registrado na seção preservada do documento. Uma vez que a contagem de gado é demonstrado ser regularmente semestral durante a segunda dinastia de acordo com a Pedra de Palermo (o ano da contagem 6, 7 e 8 é preservada no documento mais anos completos após essas contagens, respectivamente).

Khasekhem normalmente é colocado como o sucessor de Seth-Peribsen embora alguns egiptólogos acreditem que um outro faraó, Khasekhem, governou entre eles. A maioria dos estudiosos, no entanto, acreditam Khasekhem e Khasekhemui são, na verdade, a mesma pessoa. Khasekhem pode ter mudado seu nome para Khasekhemui depois que ele reunificou o Alto e Baixo Egito depois de uma guerra civil entre os seguidores dos deuses Hórus e Set. Outros acreditam que ele derrotou o rei dominante, Seth-Peribsen, depois de voltar para o Egito vindo de uma revolta na Núbia. De qualquer maneira, ele terminou a disputa da segunda dinastia e reunificou o Egito.

Khasekhemui é único faraó na história egípcia como tendo ambos os símbolos de Hórus e Set em seu serekh. Alguns egiptólogos acreditam que essa foi uma tentativa de unificar as duas facções, mas depois de sua morte, Set foi retirado do serekh permanentemente. Ele é o mais antigo rei egípcio conhecido por ter construído estátuas de si mesmo.

Khasekhemui aparentemente empreendeu projetos de construção consideráveis sobre a reunificação do Egito. Ele construiu em pedra em el-Kab, Hieracompolis e Abidos. Ele, aparentemente, construiu uma única, bem como enorme tumba em Abidos, a última tumba real construída naquela necrópole (Tumba V). O túmulo trapezoidal mede cerca de 70 metros de comprimento e tem 17 metros de largura na sua extremidade norte, e 10 metros de largura na sua extremidade sul. Esta área foi dividida em 58 quartos. Antes de algumas descobertas recentes da primeira dinastia, a sua câmara funerária central foi considerada a mais antiga estrutura de alvenaria do mundo, sendo construída de pedra calcária extraída. Aqui, os escavadores descobriram um cetro do rei em ouro e pedras preciosas, assim como várias panelas lindamente feitas de pedra com pequenos revestimentos de folha de ouro na tampa, aparentemente perdidas por ladrões de túmulos anteriores. Na verdade, Petrie detalhou um número de itens removidos durante as escavações de Amélineau. Outros itens incluídos como instrumentos de pedra, bem como uma variedade de ferramentas de cobre e vasos, vasos de pedra e vasos de cerâmica cheios de grãos e frutas. Existiam também pequenos objetos de vidro, contas de cornalina, ferramentas modelo, cestaria e uma grande quantidade de selos.

Khasekhemui construiu um forte em Nekhen, e em Abidos foi enterrado na necrópole de Umm el-Qa'ab. Ele também pode ter construído o Gisr el-Mudir em Saqqara.

Família

A esposa de Khasekhemui foi a rainha Nimaethap, mãe dos filhos do rei. Eles eram os pais de Djoser e a esposa de Djoser Hetephernebti. É possível também que era seu filho Sanakht.



Recipiente de calcário com tampa de ouro da tumba de Khasekhemui
Estátua da Khasekhemui, Ashmolean Museum
Os restos do túmulo de Khasekhemui em Umm el-Qa'ab
Estátua da Khasekhemui, Museu Egípcio, no Cairo
Precedido por
Faraós do EgitoSucedido por
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal