Sekhemkhet - Faraó do Egito Antigo - Egito Antigo

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Sekhemkhet - Faraó do Egito Antigo

Sekhemkhet foi um rei do Egito Antigo da 3ª dinastia durante o Império Antigo. Seu reino acredita-se ter acontecido entre os anos de 2648 a.C. até 2640 a.C. Ele também é conhecido por seu tradicional nome de nascimento Djoser-tety e sob seu nome helenizado Tyreis (por Manetho; derivado de Teti na lista de reis de Abidos). Ele foi provavelmente o irmão ou filho mais velho do rei Djoser. Pouco se sabe sobre este rei, já que ele governou por apenas alguns anos. No entanto, ele ergueu uma pirâmide de degraus em Saqqara e deixou para trás uma inscrição de rocha bem conhecida em Wadi Maghareh (Península do Sinai).
Faraó do Egito

Relevo mostrando Sekhemkhet
Reinado
8 anos (2648 a.C. a 2640 a.C.)  3ª Dinastia
Predecessor
Sucessor
Título Real
NomeSekhemkhet
Identidade

Enquanto o Canon de Turim dá a Sekhemkhet um reinado de seis anos, Toby Wilkinson reconstruindo a Pedra de Palermo (5ª dinastia) atribui um reinado de sete anos a este rei com base no número de anos que está preservado por ele no Fragmento Cairo I, registro V. Wilkinson afirma que "este número é quase certo, uma vez que a titularia do rei começa imediatamente após a linha divisória que marca a mudança de reinado".

Família

A esposa de Sekhemkhet pode ter sido Djeseretnebti, mas este nome aparece sem qualquer título de rainha, e egiptólogos discutem o verdadeiro significado e leitura do nome. O nome alternativo tem sido lido como Djeser-Ti e identificado com a cartela do nome Djeser-Teti apresentado na Lista de Reis de Saqqara como o sucessor direto de Djoser. Sekhemkhet certamente teve filhos e filhas, mas até a presente data nenhum nome pessoal foi detectado.

Reinado

Não se sabe muito sobre as atividades realizadas durante o reinado de Sekhemkhet. O único documento preservado relatando um evento são duas inscrições rupestres em Wadi Maghareh na península do Sinai. A primeira mostra o rei Sekhemkhet duas vezes: uma ele usa a coroa branca, outra vez ele usa a coroa vermelha. Os outros relevos descrevem uma cena conhecida como "ferir o inimigo": Sekhemkhet agarra um adversário pelo seu cabelo e levanta o braço em tentativa de levar o inimigo até a morte com um cetro cerimonial. Os relevos em Wadi Maghareh sugerem que Sekhemkhet usou os locais como mina de cobre e turquesa para obter esses minerais preciosos.

Vários selos de barro apresentando um nome nebty incomum juntamente com o nome hórus Sekhemkhet foram encontrados no local da escavação oriental em Elefantina. O nome nebty é Ren nebty ("as duas senhoras estão satisfeitas com o nome dele/dela") não tendo certeza, se é verdadeiro nome nebty de Sekhemkhet ou de uma rainha ainda desconhecida.

Tumba

O Rei Sekhemkhet foi enterrado debaixo de sua pirâmide de degraus em Saqqara. Este túmulo é hoje conhecido como pirâmide de Sekhemkhet, a pirâmide Djeserteti e pirâmide enterrada. O túmulo de Sekhemkhet foi escavado em 1952 pelo arqueólogo egípcio Zakaria Goneim.

A pirâmide

A Pirâmide de Sekhemkhet foi planejada como uma pirâmide de degraus. Se a pirâmide tivesse sido concluída, deveria ter seis ou sete degraus e uma altura final de 70m - 72m como a pirâmide de Djoser, que foi construída de tijolos de pedra calcária. O monumento permaneceu inacabado, possivelmente por causa da morte súbita do faraó. Portanto, apenas o primeiro degrau da pirâmide foi terminado, deixando um monumento em forma de um grande mastaba quadrática.

Estrutura Subterrânea

A entrada para o túmulo de Sekhemkhet reside no local do norte da pirâmide de degraus. Uma passagem aberta conduz para baixo a 61m, acompanhado a meio caminho de um eixo vertical encontrando a passagem de cima para baixo, que conduz para a superfície e a sua entrada residiria no segundo degrau da pirâmide, se o monumento tivesse sido concluído.

No ponto de encontro da passagem existe outro caminho que leva até o subterrâneo, galeria em forma de U, contendo pelo menos 120 compartimentos. O complexo de galerias inteiro tem a aparência de um pente gigante. Pouco antes da câmara mortuária da passagem principal se divide em duas galerias mais, em torno da câmara funerária como um "u" (semelhante à grande galeria do norte), mas eles nunca foram concluídos.

A câmara funerária tem uma base medindo 8,8m x 5,18m e uma altura de 4,57m. Ela também foi deixada inacabada, mas surpreendentemente um sepultamento completamente organizado foi encontrado. O sarcófago no meio da câmara é feito do mais fino alabastro e mostra uma característica invulgar: a sua abertura, encontra-se no lado da frente e é fechado por uma porta de correr, o qual foi ainda rebocadas com argamassa quando o sarcófago foi encontrado. Infelizmente, o sarcófago estava vazio e até hoje não está claro se o enterro foi saqueado na Antiguidade, ou se rei Sekhemkhet foi enterrado em outro lugar.

Um recipiente em forma de concha feito de ouro foi encontrado por uma equipe de escavação do Serviço de Antiguidades Egípcias em 1950. O objeto tem um comprimento de 3,55 cm e atualmente está em exibição na sala 4 do Museu do Cairo.

Complexo da Necrópole

Uma vez que a necrópole de Sekhemkhet nunca foi terminada, é difícil dizer se existiu algum edifício de culto. O pátio da pirâmide foi cercado por um muro acantonado de frente para o norte-oeste. Tinha 1,850 pés de comprimento, 185m de largura e 10m de altura. O único edifício arqueologicamente preservado de culto é o túmulo do Sul, sua base é estimada em 105 pés x 10m. A estrutura subterrânea incluía um corredor apertado, com início no local ocidental do túmulo e que termina em uma câmara dupla. Nesta câmara, em 1963, Jean-Philippe Lauer escavou o túmulo de uma criança de 2 anos de idade. A identidade desta criança permanece um mistério, o único fato conhecido de certeza sobre ela é que não pode ser o rei Sekhemkhet, já que o rei sempre foi descrito como um homem jovem.

Outros edifícios de culto não foram detectados, mas egiptólogos e arqueólogos estão convencidos, que alguma vez um templo mortuário e um serdab existiram, mas foram destruídos devido a saques de pedra dos edifícios na antiguidade.
Precedido por
Faraós do EgitoSucedido por
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal